Pular para o conteúdo

VW-T-Cross: lenha na fogueira

VW-T-Cross: lenha na fogueira

SUV compacto, fabricado no Brasil para atender o mercado da América Latina, chega para injetar mais competitividade neste concorrido segmento

“O T-Cross é o primeiro SUV produzido pela Volkswagen no Brasil. Ele chega para revolucionar os padrões de seu segmento”. Essas palavras do presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si, mostra o quanto este novo carro é importante para a montadora. Não só pelo que representa em termos de tecnologia e inovações aplicadas nele, mas também porque inicia nova fase uma nova política da empresa de construir automóveis com características globais, mas que reforçam sua estratégia de regionalização.
“O T-Cross feito no Brasil – é produzido na planta de São José dos Pinhais (PR) – traz mudanças em seu design, maior espaço interno e é mais alto que o modelo europeu, além de ser um modelo seguro, conectado e cheio de tecnologia”, avisa o executivo. Se não houver mudanças, ele chegará às concessionárias brasileira até março e, na sequência, atenderá aos demais mercados da América Latina.Ele faz parte dos cinco novos SUVs a serem lançados pela montadora na região até 2020.
O modelo é fabricado sobre a Estratégia Modular MQB, que é o mais moderno conceito de produção do Grupo Volkswagen no mundo. Ele se destaca pelo comportamento dinâmico por oferecer cabine espaçosa e confortável e pelos avançados recursos de tecnologia, conectividade e segurança.
Também oferece itens exclusivos no segmento, como o painel totalmente digital (Active Info Display), seletor de perfil de condução, Controle de Estabilidade (ESC) de série, bloqueio eletrônico do diferencial, Park Assist 3.0, suporte para celular no painel, quatro entradas USB (inclusive para o banco traseiro), iluminação da cabine em LED e acabamento com apliques no painel. Conta ainda com faróis full-LED, seis air bags, saída de ar-condicionado para o banco traseiro e teto solar panorâmico.
No Brasil, o T-Cross terá exclusivamente motores TSI, que combinam injeção direta de combustível e turbocompressor para entregar alta eficiência energética e prazer ao dirigir. O 250 TSI Total Flex gera potência de até 150 cv (110 kW), com gasolina ou etanol, a 4.500 rpm. O torque máximo, também com ambos os combustíveis, é de 250 Nm (25,5 kgfm). Esse motor é combinado exclusivamente à transmissão automática de seis marchas com função Tiptronic e aletas (shift paddles) para trocas no volante.
Já o 200 TSI Total Flex desenvolve potência de até 128 cv (94 kW) a 5.500 rpm, com etanol – com gasolina, são 116 cv (85 kW), à mesma rotação. Esse motor pode ser combinado à transmissão manual ou à automática com função Tiptronic (também com as aletas no volante), ambas de seis marchas.
“Be Practical, Be Intuitive, Be Cool, Be Safe”. Esses são os quatro preceitos que marcam o T-Cross. Pesquisas mostraram que o consumidor quer um veículo “prático”, com mais espaço e flexibilidade; “descolado”, com design marcante e que permita personalização; “intuitivo”, digital e conectado; “seguro” – que ofereça o máximo de segurança para os ocupantes.
“Be Practical” – o T-Cross mede 4.199 mm de comprimento e 1.568 mm de altura (9 mm mais alto que o T-Cross europeu). A distância entre os eixos do modelo produzido no Brasil é maior: 2.651 mm (88 mm a mais do que a distância entre-eixos do T-Cross europeu).
O novo SUV oferece espaço surpreendente na cabine. Um dos elementos responsáveis por isso é a Estratégia Modular MQB – que permite flexibilidade de construção graças aos parâmetros variáveis (entre eles, a distância entre-eixos e as bitolas). A posição de dirigir é mais elevada, típica de SUVs, o que colabora para melhorar o espaço interno.
A capacidade do porta-malas é variável entre 373 e 420 litros). O encosto rebatível do banco do passageiro dianteiro oferece ainda mais flexibilidade. Além de sensores dianteiro e traseiro para estacionamento, o T-Cross pode ser equipado com o sistema “Park Assist 3.0”, que permite o estacionamento autônomo em vagas paralelas e transversais.
“Be Cool” -o design é arrojado. A parte dianteira destaca-se por sua altura; o design é carismático, com grade ampla e faróis de LED integrados e diferencia-se do desenho do modelo europeu.
Também responsável por essa altura acentuada é a tampa do compartimento do motor.
Todas as versões do T-Cross são equipadas com luz de condução diurna (DRL) em LED, integrada ao farol de neblina. Há oferta de faróis full-LED – neste caso, a luz de condução diurna encontra-se na própria carcaça do farol.
Nas laterais, uma linha característica acentuada divide os espaços. Atrás, ela forma uma seção dos ombros impactante e assinala na traseira um novo elemento de design da Volkswagen: a faixa de refletores estendida transversalmente na parte traseira e emoldurada por um painel preto.
O modelo também pode ser equipado com teto solar panorâmico “Sky View” – dois painéis de vidro que abrangem mais da metade da área do teto do carro (a seção dianteira pode ser aberta eletricamente). Outro destaque no interior do T-Cross é a iluminação ambiente em LED.
O T-Cross tem disponível o sistema de som “Beats”, de alta fidelidade sonora, com sete alto-falantes (incluindo um sub woofer no porta-malas) e potência é de 300W RMS.
“Be Intuitive” – o T-Cross inclui, opcionalmente, sistema de Infotainment com tela sensível ao toque (touchscreen) de oito polegadas e o quadro de instrumentos totalmente digital “Active Info Display” de última geração. Nele, os instrumentos são implementados virtualmente via software. Somente as luzes/ícones na borda inferior do mostrador são instaladas em hardware.
Informações de navegação podem ser mostradas em 2D ou 3D, em uma tela de 10,25 polegadas, do tamanho de um tablet. Sua resolução de 1.280 x 480 pixels permite gráficos precisos e de alta qualidade. Por exemplo, o modo de navegação: nesse caso, o velocímetro e conta-giros são deslocados para os lados, a fim de criar mais espaço para o mapa.
As informações sobre as funções de condução, de navegação e de assistência podem ser integradas em áreas gráficas do velocímetro e conta-giros, conforme necessário. Dados exibidos no console central pelo sistema de Infotainment também podem ser exibidas no Painel Digital Programável.
Além disso, o T-Cross pode ser equipado com “Seletor do Perfil de Condução”, para o motorista ajustar a experiência de direção entre os modos “normal”, “ecológico”, “esportivo” ou “individual”. Quatro entradas USB (duas na frente, duas atrás) garantem a conexão ideal e energia suficiente para os smartphones. Todas as versões são equipadas de série com suporte para telefone celular localizado no centro do painel, que conta com tomada USB de carregamento rápido.
“Be Safe” – a influência positiva da Estratégia Modular MQB revela-se em todas as áreas do T-Cross. Graças a ela, o SUV é um dos veículos mais seguros de sua classe – o que é garantido pela utilização de aços de ultra-alta resistência e conformados a quente, pelos seis airbags (dianteiros, laterais e do tipo “cortina”) e gama ampla de sistemas de assistência.
Todas as versões serão equipadas de série com ESC – Controle Eletrônico de Estabilidade. Esse sistema reconhece um estágio inicial de que uma situação de rodagem crítica está para acontecer. Se necessário, o sistema reduz o torque do motor e freia uma ou várias rodas até atingir a condição de estabilidade.